quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

[Resenha] Branca de Neve - Os Contos Clássicos


Branca de Neve – Os Contos Clássicos
Alexandre Callari e outros autores
Editora: Generale (Évora)
Gênero: Fantasia, contos de fadas
Páginas: 224
“Entre os diversos autores presentes na publicação organizada por Alexandre Callari estão, os irmãos Grimm, o aristocrata Giambattista Basile, os folcloristas Joseph Jacobs, Laura Gonzenbach, Thomas Frederick Crane e Ernst Ludwig Rochholz, o romancista Alexandre Pushkin, além de um conto do próprio Alexandre Callari, que deu via a sua própria Branca de Neve, recontando a história da bela de uma maneira peculiar. As histórias de cada autor se passam nas mais variadas regiões europeias e abordam diversos temas bem atuais e humanos como a inveja, ciúme, traição e mentira, algumas com uma pitada de romance, terror, suspense e até mesmo tragédia. Todos os contos presentes no livro vêm com um comentário e análises que visam o entendimento dos elementos que compõem suas origens, já que as narrativas contém um pouco do folclore de diversos países como a Itália, Alemanha, Suíça, Escócia, Rússia, entre outros locais. Além de incorporar sua própria história sobre a Branca de Neve, Alexandre Callari também comenta sobre as variações da história e da própria personagem ao longo de cada conto e cada versão, analisando também os filmes com a personagem, desde o primeiro lançado em 1902 até os que estão prestes a serem lançados.”
Percebi esse ano que houve uma grande febre pela volta dos Contos de Fadas, principalmente na forma de adaptações das histórias, ou até mesmo nas recontagens delas. Começou pelo tão anunciado “Once Upon a Time”, depois teve “Espelho, espelho meu”, “Branca de Neve e o Caçador”, “Beauty and the Beast”, “Grimm” e vários outros filmes/seriados que se perderam por ai. E há de se reparar, também, que pelo menos nesses lançados em 2012, a maior parte fez alusão ao conto da Branca de Neve.

Acredito que ainda ouviremos falar de várias outras adaptações que chegarão por ai baseadas em algum conto de fadas, e admito que eu gosto bastante disso, embora muitas vezes saiam histórias bem ruins. Esperemos o que 2013 tem para gente, isto é, se o mundo não acabar!

Comprei esse livro justamente por causa dessa febre. Em meio a tantas histórias diferentes sobre o mesmo conto, eu precisava saber a história original. Quero dizer, sem ser aquela da Disney que estamos acostumados a ver quando pequenos.

Eu o achei bem interessante, principalmente por não se tratar de uma única história. É óbvio que um conto criado oralmente e transmitido por várias gerações, além de criado em vários países diferentes ia ter versões diferentes. E não, os Grimm’s não são os donos da verdade. Eles fizeram uma pesquisa interessantíssima e criaram a sua própria versão daquilo que ouviram, mas existe um acervo muito mais rico e, à sua maneira, mais intrigante espalhado pelo mundo.

E foi justamente isso que Callari fez. Ele pegou várias versões, de vários lugares diferentes e colocou em seu livro, fazendo comentários sobre a sua origem e costumes da época em que foi criado. Juro que fiquei com vontade de estudar conto de fadas depois desse livro. É um mundo interessante demais e muito, muito rico. Existem tantas histórias perdidas por ai, tantas! Espero sinceramente que haja uma versão similar para os outros contos recolhidos pelos irmãos Grimm’s, ou mesmo os outros contos que serviram de inspiração para tantos filmes famosos por ai.

O livro é muito bem editado, com páginas bonitas e bem elaboradas; uma capa simples, porém completa e poucos erros de ortografia/digitação que eu pude perceber. Além do mais, apesar de se tratar de uma pesquisa, ele não é maçante. Foi escrito com fluidez e leveza, sem palavras muito difíceis ou que pudessem complicar a leitura. Dá para ler em uma sentada!

Outra coisa interessante é que, no final, ainda há um conto muito bacana que o próprio Callari escreveu, mostrando a sua visão da história da Branca de Neve. Eu gostei bastante de como ele tratou os personagens e fez bom uso da moral em que se desenvolve a história. Vale a pena ser lido. É um trabalho muito bem feito.

O livro valeu cada centavo e não me decepcionou! Eu o recomendo (:


Avaliação:
Capa: 
Acabamento do livro: 
História: 
Andamento:   

Avaliação Geral:
 

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

[Resenha] Escolhas de Formatura - Diana Peterfreund

Em escolhas de formatura, quarto e último livro da série, Amy vai enfrentar algumas das maiores decisões da sua vida, descobrir coisas sobre si e sobre os outros e vai te fazer dar muitas risadas.
Série Sociedade Secreta
Volume 4 - Escolhas de Formatura
Diana Peterfreund
Editora: Galera (Record)
Gênero: Romance e Suspense Y.A.
Páginas: 432
"Neste final, Amy Haskel e seus amigos Coveiros estão se preparando para enfrentar a vida fora dos muros privilegiados da universidade Eli. A contagem regressiva para o resto de sua vida começou e, subitamente, Amy parece ter perdido o controle de tudo. A monografia está empacada, os formulários para entrevistas de emprego, não preenchidos. Para piorar, ela tem de indicar alguém para seu lugar na Rosa & Túmulo — a sociedade secreta mais exclusiva e influente do campus... e do país."

[Esta resenha não contém spoiler, porém leia as resenhas dos livros anteriores]

Enfim chegou o tão esperado desfecho da série Sociedade Secreta. O terceiro volume dessa série foi a primeira resenha deste blog há mais de um ano e meio, quase dois anos. Sim, esperamos todo esse tempo para ter a tradução da continuação que saiu em 2009 nos Estados Unidos. Sem comentários para a Editora Galera, né?!

Abstraindo isso, devorei o livro em algumas horas. Comprei assim que fiquei sabendo que ele já estava na livraria (sim, no mesmo dia) e é sempre muito complicado falar dessa série, que é de longe uma das minhas preferidas. Mas vamos lá!

Em Escolhas de Formatura Amy Haskel está para se formar e tem um milhão de coisas a fazer: terminar a monografia, terminar algumas disciplinas, escolher o seu sucessor na sociedade secreta mais poderosa do país e saber o que fazer depois da faculdade. Sem falar nos assuntos pendentes do terceiro livro, que eu não vou contar porque é spoiler.

No último volume da série, Diana traz uma carga maior de responsabilidade e seriedade à trama ao tratar de temas mais delicados e nada engraçados como relacionamento amorosos que trazem perigos e a violência contra a mulher. E com alguns novos e apaixonantes personagens trouxe outros temas relevantes como ecologia e o vegetarianismo, tudo isso sem perder a mão, sem deixar de ser engraçada e cativante.

Amy Haskel continua sendo a melhor personagem apesar de nas primeiras páginas o livro ser um bocado lento. Entretanto, com a fluidez e rapidez da trama demonstrada nos livros anteriores, Escolhas de formatura toma um ritmo agradável para no fim ir tão depressa que você perde o fôlego, mas de um jeito muito bom.

O que eu mais gosto na autora e nessa série é o fato de, apesar de ser um chicklit (ou quase isso), Sociedade Secreta não é um livro bobinho. Ele não trata de amor como se fosse tudo lindo, não trata os problemas como se foss o fim do mundo. Ele fala de conflitos que eu posso ter e de sentimentos reais. Em vários momentos eu me identifiquei com a protagonista, me vi nas reflexões dela.

Nas páginas finais acontece algo que parece que vai fazer seu coração em pedacinhos. E faz. Eu passava as páginas completamente incrédula. "Não acredito que a Diana vai fazer isso comigo, não é possível!", eu pensava e passava as páginas como louca. Eu via as páginas ficarem cada vez mais escassas e fui ficando cada vez mais aflita.

O que fez o livro escapar de uma nota baixa só pela frustração desta que vos fala foi também a maior reviravolta e o que faz ele merecer pelo menos 6 xícaras. Não esperava aquilo, fiquei sem fôlego. Infelizmente, não posso falar mais nada sobre isso hahaha.

Maduro é a palavra para Escolhas de Formatura. Uma leitura leve, com pitadas de assuntos sérios, comédia, romance, mistério e uma sociedade secreta poderosa. Combinação perfeita! Recheado de cenas espirituosas e algumas muito, muito bem figuradas, Diana mostra que além de todas as pitadas sabe fazer descrições vibrantes e divertidas.

A capa é linda. Aliás, todo o cuidado com a série,  principalmente as lombadas, mas todo projeto gráfico  que ficou mais harmônico que a versão em inglês, foi algo muito especial. Os quatro livros ficam lindos na estante.

Eu sou apaixonada na série, e isso eu deixo bem claro. Isso na verdade era um perigo, já que minhas expectativas estavam excessivamente altas. Para minha eterna alegria Diana fez um desfecho lindo para uma das melhores séries de literatura jovem conteporânea. Sociedade Secreta vai ficar no meu coraçãozinho para todo o sempre. Já estou sentindo saudades...


Avaliação

Capa:
Acabamento do livro: 
História: 
Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Amazon Brasil, Kobo e Google Play (não necessariamente nessa ordem)

Amazon Brasil Kindle
A Amazon está oficialmente em terras brasileiras. A gigante americana colocou seu site .com.br online por volta das 00:30 de ontem, dia 6 de dezembro. Apenas e-books estão sendo comercializados, entretanto o preço do Kindle já foi divulgado: $299 dilmas. Entretanto, ele só começará a ser vendido nas próximas semanas - eles estão montando amazéns para trazer não só o kindle, mas como a gama imensa de produtos que eles comercializam nos EUA.

Isso aconteceu pouco mais de cinco horas depois de a livraria Cultura começar a venda do Kobo, um dos principais concorrentes do Kindle, e que já vinha sendo anunciado desde a semana passada. O Kobo está sendo vendido por $399 reais.

Kobo livraria cultura concorrente Kindle

É só uma suposição minha, mas acredito que o Kindle só está tão barato para poder ganhar mercado, porque o preço que estava sendo imaginado era superior ao que foi anunciado.
Google Play e-book Google livros filmes
Para acirrar ainda mais essa briga que tem tudo para ser boa, às 23:45 de quarta feira, dia 4, o Google (aquele pequenininho) lançou pelo Google Play (que até então só vendia games) a venda de livros e filmes.

Caso você ainda não tenha se rendido às graças do e-book a hora é essa. Aqui no Into Wonderland até a Flávia que escreveu aquele artigo sobre a leitura fora do livro físico se rendeu aos encantos do Kindle. Sem, é claro, abandonar o livro de papel.

E com tudo isso, a Associação Nacional de Livrarias anunciou que enviará para a Presidente Dilme, Marta Suplicy e demais entidades um documento que expõe alguns receios com o livro digital com sugestões para regulamentação do preço. É... mas a gente sabe que eles estão com medo de ficar sem trabalho, como um bocado de gente tem ficado nos estates e na europa.

Nesse caso, até é legítimo o medo, mas, em minhas singela opinião isso, é provocado por uma falta de inovação e de se repensar o conceito de "livraria". Afinal, livrarias não podem mais ser somente uma loja de livros. É só olhar para a Livraria Cultura e/ou para a Livraria da Travessa para entender do que eu estou falando. Só que isso é assunto para um "Palavra da Lagarta", prometo que vou escrever.

E você, o que pensa disso tudo? O que acha que pode trazer de bom e de ruim? Ser brasileiro está super na moda, até na literatura, não é?

Por último, vou deixar um vídeo legal para vocês entenderem como a empresa de Seatle funciona nos EUA (e porque é tão difícil trazer ela para o Brasil). A coisa é tão grande que o próprio setor de e-commerce (venda online) considera a Amazon algo a parte, numa categoria diferente. Entenda o porquê.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

[Resenha] Predestinados - Josephine Angelini


Predestinados
Josephine Angelini
Editora: Intrínseca
Gênero: Sobrenatural
Páginas: 320
“Helen Hamilton passou a vida inteira tentando disfarçar o fato de que é uma garota diferente, mas agora, aos dezesseis anos, isso está cada vez mais difícil. Não apenas por causa de sua força sobre-humana ou porque às vezes, sem motivo aparente, pessoas estranhas simplesmente a atacam, mas também porque ela teme que seu juízo esteja seriamente comprometido.”
Eu ouvi falar incrivelmente bem desse livro. Além de ter um assunto bem interessante, o que, ao ler o resumo me trouxe uma impressão bem a la Percy Jackson, ainda ouvi muitas criticas positivas sobre ele. Fiquei bem animada quando foi anunciado que ele sairia no Brasil, já que estou com algumas dificuldades em comprar livros americanos, e acabei comprando-o assim que sobrou dinheiro.

Helen é uma garota diferente. Desde pequena ela sabe que existe algo de muito estranho com relação a ela, mas sempre tentou se encaixar. No entanto, com sua beleza invejada por tantas meninas e as coisas estranhas que, sem querer e sem explicação, muitas vezes fazia, ela nunca conseguiu realmente se sentir parte de sua cidade. Parecia sempre estar deslocada.

Entretanto, ultimamente tem sido realmente difícil para ela esconder esse fato. Desde quando uma família se mudou para a cidade e se tornou “a notícia” local, as coisas na vida de Helen ficaram ainda mais doidas. Principalmente quando encontra Lucas Delos e descobre que há algo de muito incomum nessa relação.

O livro começou levemente agradável. Porém, conforme fui avançando na leitura, senti um pensamento tomando conta de mim: “Eu já vi isso em algum lugar”. E já tinha visto mesmo. Depois de algum tempo de leitura, percebi de onde vinha aquela sensação doida de Deja Vú.

Crepúsculo. Isso mesmo. O livro é inteiramente permeado de passagens existentes na saga dos vampirinhos. Há aquele ambiente familiar no qual os membros guardam um segredo, são bem próximos e moram em uma mansão enorme. Há também aquela hostilidade que toma conta dos dois protagonistas logo nas primeiras páginas e algumas cenas também, como aquela do carro em que o Edward salva a Bella de um atropelamento.

Quando terminei de ler, achando que eu estava sendo um pouco implicante com a história, resolvi até mesmo ver algumas resenhas. Descobri, então, que não sou a única a achar essa semelhança no livro, aliás, mais pessoas do que eu esperava o acharam parecido demais com Crepúsculo.

A protagonista também não é uma flor. Ela é bem sem graça e não consegue conquistar o leitor. Eu passei mais tempo com raiva dela do que desejando que as coisas, de fato, dessem certo. Aliás, uma das coisas que eu mais odiei nesse livro foi o fato de como absolutamente todos os personagens são lindos, lindos de morrer. Há aquela aura de perfeição em torno deles, como se eles fossem lindos, legais e fantásticos demais para que as coisas dessem errado.

A narrativa também não conquista. Eu achei que ela foi parada e nada fluida. Houve partes que eu tive vontade de desistir do livro e não ler até o final. Não sei se é falta de tolerância de minha parte com livros do gênero, mas eu simplesmente estou doida com essa receita de bolo que os livros sobrenaturais acabaram por tomar emprestado do famoso Crepúsculo. É uma repetição cansativa e desnecessária. Existem muitos livros do mesmo gênero que são parecidos, mas que conquistam pela narrativa e pela história tão bem bolada como, por exemplo, A Academia de Vampiros, da Richelle Mead.

Portanto, eu acredito que o livro trouxe muitos detalhes e semelhanças desnecessárias que tornaram a leitura bem chata. Não gostei dos personagens, da história e muito menos do desfecho meio aéreo. Aliás, nem mesmo a mitologia é muito bem explorada. A autora focou demasiadamente em uma parte da história e esqueceu-se de que a mitologia não é apenas aquilo e que aquele era apenas um ponto de vista. Por causa disso, muitas explicações acabaram por se tornar forçadas e convenientes demais para o desenrolar da história.

Em suma, os três pontos chaves que sustentam uma boa leitura; a história, a narrativa e os personagens; foram pobres e fracos demais. Nenhum deles foi bom o suficiente pra sustentar o livro e torna-lo ao menos minimamente merecedor de ser lido. Não o aconselho para ninguém e, muito provavelmente, não lerei o próximo livro da série.


Avaliação:

Capa: 
Acab. do livro: 
História: 
Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral:

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

[Resenha] Frost - Kate Avery Ellison

Frost, um ebook independente de Kate Avery Ellison, é original e misterioso. A protagonista Lia teve sua família morta por criaturas sobrenaturais que habitam as florestas que ela atravessa toda semana para ir da fazenda onde mora até a cidade. Uma trama de fantasia que mesmo publicada de forma indenpendende é bem feita e surpreende. Confira!
{"Em Outra Língua" é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros a princípio apenas às quintas-feiras, mas atualmente em qualquer dia da semana. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

Este meme está no Into Wonderland como parte integrante do Desafio Literário Meu Primeiro Livro em Outra Língua. Saiba mais aqui.

Título: Frost
Autor: Kate Avery Ellison
Editora: A própria autora - produção independente
Sold by: Amazon Digital
Gênero: Fantasia
Páginas: 195

Lia Weaver nasceu e viveu em uma família de artesãos. Mora em uma fazenda, afastada do centro de sua Vila, com seus irmãos John e Ivy. Toda semana, Lia deve atravessar a floresta para entregar aos Anciãos sua cota de novelos de linha - o produto pelo qual sua família é responsável. Na floresta, moram os Watchers. São monstros terríveis que saem à noite e têm olhos vermelhos, que, na maior parte das vezes, vai ser a última coisa que você verá.

Os Watchers dilaceraram e mataram os pais de Lia.

Frost é esse lugar; é uma sociedade meio Amish, baseada em laços familiares e funções organizadas. Cada um tem seu lugar, sua posição na Vila. Segurança é a palavra de ordem. Ao sul de Frost, separada pela floresta e pelo frio congelante, está Aeralis - cheia de tecnologia, violência e intolerância. Quase tão temíveis quanto os Watchers são eles: os Farthers. Todos em Frost sabem o perigo que é entrar em contato com os 'dark-skinned'.

É por isso que, quando Ivy encontra um Farther quase morto perto da fazenda dos Weavers, Lia quase o larga lá. Mas, ao final, o leva para dentro e trata suas feridas. Mal sabe ela...

Frost é um livro independente; só por isso (e pelo preço - U$2,99), eu já gostei. Livro independente é um novo tipo de publicação que surgiu com o advento do ebook - não precisa de uma editora para ser posto no mercado digital. É lógico que, sem esse 'filtro' editorial, a probabilidade do livro ser um lixo é alta. Isso não aconteceu com Frost.

A autora, Kate Avery Ellison, criou um mundo extremamente intrigante. Não é distopia; na verdade, parece um retorno às sociedades medievais, aos valores antigos. Lia é uma garota forte, dedicada a manter sua família (o que restou dela…) unida e longe do perigo. Quando Gabe surge, sentimos de imediato a repulsão de Lia por ajudá-lo - eu mesma pensei duas vezes. E o romance dos dois é tão singelo, tão simples… Mas não é o foco do livro - nem de longe. Eu gostava das cenas entre os dois, mas adorava quando Lia ia até a Vila e eu podia conhecer um pouquinho mais sobre os outros misteriosos personagens.

Os monstros e fatores mágicos da história contrastam com a sociedade tecnológica de Aeralis - muito pouco explorada nesse livro, aliás. Isso, eu acho, é o que me manteve mais presa durante o dia e meio que demorei para ler (mas não se enganem: dá para ler em uma sentada, haha). A mitologia e o mistério de Aeralis… Guess I'll have to buy the next one in the series*!

*Acho que terei que comprar o próximo da série

Por Carol Fabiano Viciada em livros, lê principalmente em inglês e é colaboradora do Into Wonderland. (:

Avaliação:
Acabamento do livro: 
História: 

Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral: