domingo, 14 de agosto de 2011

[Resenha] O Restaurante no Fim do Universo - Douglas Adams

O Restaurante no Fim do Universo
Volume 2 - Série O Guia do Mochileiro das Galáxias
Douglas Adams
Editora: Sextante
Gênero: Ficção Científica
Número de páginas: 229

"O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante do Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apenas se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão fatal? A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível. O segundo livro da série de Douglas Adams, que começou com o surpreendente O guia do mochileiro das galáxias, mostra os cinco amigos vivendo as mais inesperadas confusões numa história cheia de sátira, ironia e bom humor. Com seu estilo inteligente e sagaz, Douglas Adams prende o leitor a cada página numa maravilhosa aventura de ficção científica combinada ao mais fino humor britânico, que conquistou fãs no mundo inteiro. Uma verdadeira viagem, em qualquer um dos mais improváveis sentidos."

Que livro fantástico! Douglas Adams realmente é demais, ele conseguiu se superar, só não gostei muito do desfecho porque... Espere. Como diria Jack, vamos por partes.
O livro parte de onde terminou o primeiro, a história é linear (em parte) e contada com sacadas rápidas e em boa parte engraçadas. Alguns trechos do livro parecem não fazer sentido algum de cara, você se pega perguntando "porque ele está falando isso?". Mas fique atento, nada do que é dito é desnecessário. Isso ocorre em toda a série, mas esse livro tem algumas partes que particularmente eu vou anotar pra sempre tirar da manga. É sério, tem umas coisas que são incríveis. Eu ousaria dizer que Adams é um gênio, como alguém normal escreve aquilo? Demais. Porque você ter uma ideia é importante, mas passar isso pro papel é extremamente difícil.
Arthur passa a ser um personagem mais interessante e menos perdido. Neste segundo livro ele "começa a pegar o jeito da coisa", de ser um mochileiro e estar em uma aventura que leva todos os personagens (e ele, claro) para os locais e tempos mais inusitados. No primeiro livro eu tinha a impressão que ele ficava meio alheio a tudo, mas agora ele dá tiradas inteligentes e está mais presente na trama, ajudando a conduzir a história. Em pouco mais de 200 páginas você vai de um ponto da galáxia a outros e revisa acontecimentos importantes do passado, presente e futuro. Com uma narrativa fluida como água num morro, um leitor menos desavisado - um dos motivos é a capa que faz o livro parecer de brincadeira - se perde em meio a tanta informação. Não tenho mais o que acrescentar sobre a capa, eu não gosto dela como disse nessa resenha aqui. Apesar de ela conter informações sobre a história, tinha tanta coisa melhor e mais bonita que poderia ter sido feita... Enfim.
O desfecho me deixou com cara de interrogação. Mas não porque é um desfecho ruim, mas sim porque ele não acaba o livro. Nem de longe. Ele não acaba nem um capítulo daquele jeito. É como se ele estivesse terminando uma passagem no meio do capítulo, daquelas que o autor da um espaço e continua em outra cena da história de tão impactante. Quando eu terminei eu disse: "Oras! Mas acabou assim? O_O" .
Então caro leitor, você pode imaginar a minha fissura por ler o próximo livro da sério, não?
Ainda bem que já o tenho em mãos. Mas como eu não costumo ler séries de uma vez vou intercalar dois livros antes de ler a continuação, ou seja, minha curiosidade não será morta tão cedo.
Sem mais delongas, Douglas Adams continua se afirmando como um dos melhores escritores recentes, se superando a cada capítulo. Ele é ousado, perspicaz. Se você mesmo assim não quiser esse livro... Você realmente não sabe o que está perdendo.
Avaliação
Capa:
Acabamento do livro:
História:
Andamento:
Desfecho:

Avaliação Geral

3 comentários:

  1. Douglas Adams, ahh, nem sei bem o que dizer, pois praticamente tudo o que disser será redundante em relação à essa resenha. A forma com que Douglas Adams consegue nos fazer acreditar até mesmo nas ideias mais absurdas, utilizando-se de argumentos "plausíveis", e isso para mim é a parte mais magica em seus livros, ele realmente te faz acreditar. No mais, excelente resenha, tenho de concordar com tudo que disse, menos com a parte da capa. Adoro o estilo da capa de Douglas Adams, passa sua mensagem de forma direta, rápida e minimalista.

    ResponderExcluir
  2. Eu já li toda trilogia (de cinco livros) e foi exatamente essa "expressão" que me ganhou e me fez querer ler todos os livros.

    Douglas Adams realmente é um gênio, recomendo a leitura para todos. Humor inteligente é uma coisa meio rara de se encontrar.

    =)

    ResponderExcluir
  3. Adorei te blog! Eu li só o primeiro da série, qaundo eu comprar leio o resto!

    Paola
    uma-leitora.blogspot.com

    ResponderExcluir