segunda-feira, 14 de maio de 2012

[Coluna] A Palavra da Lagarta #9 - Capas.


Quem nunca comprou um livro pela capa, que atire a primeira pedra!

Todos nós, que estamos intimamente ligados aos livros, sabemos que muitas vezes podemos encontrar um que chama a nossa atenção simplesmente pela sua arte impecável. Aquela capa tão linda, tão maravilhosa e aqueles detalhes tão bem acabados, que mesmo sem saber absolutamente nada sobre o livro, a vontade de comprá-lo é grande. Ou ainda, em alguns casos mais extremos, mesmo sabendo que o livro é ruim e que suas resenhas são todas negativas, ainda assim dá vontade de comprar.

Eu não condeno tal atitude (Na verdade, sou uma que vivo fazendo isso); mas, hoje em dia, com as atuais artes que encontramos no mercado literário, fica difícil confiar naquilo que vemos.

Bem, eu acredito que a capa é a primeira sinopse que recebemos do livro. Ter uma imagem bem colocada, condizente, e com efeitos que agradam os olhos, traz um encanto especial ao livro. Acho maravilhoso quando estou em uma livraria e encontro uma capa linda, cheia de detalhes, e fico imaginando sobre do que se trata a obra. É quase impossível deixar de ler a sinopse de um livro cuja capa nos chame tanta atenção...  Entretanto, e infelizmente, hoje em dia se faz mau uso deste artefato.

Estou vendo um pouco caso cada vez maior com a arte dos livros hoje em dia. Não que elas estejam ficando feias (Pelo contrário, nunca estiveram tão bonitas!), mas está havendo um aproveitamento muito injusto em cima delas. O que eu quero dizer aqui é que, hoje em dia, as capas estão sendo padronizadas, coisas aleatórias, bonitas e que agradam os olhos, mas que quase nunca fazem algum sentido. Muitas vezes, se vê uma garota bonita, cercada por um cenário belíssimo e efeitos de cores perfeitos; mas em 80% dos casos, essa garota não faz parte da história, é mera ilustração para chamar atenção. É desanimador e um pouco decepcionante.

Não estou dizendo que tal artefato não funcione. Olhando pelo lado publicitário da coisa, é uma estratégia funcional e muito boa. Mas, ao mesmo tempo, é um descaso com os leitores. Principalmente aqueles que apreciam o livro como um todo, e não somente como uma história. Como eu disse anteriormente, a capa é a primeira sinopse que temos do livro e, quando esta não faz sentido, perdemos um pouco do encanto que a história poderia nos trazer futuramente.

Conheço capistas maravilhosos que tem os projetos pessoais mais lindos que eu já vi, mas que, quando fazendo livros “comerciais” caem no padrão do visualmente vendável.  E isso me deixa realmente triste, já que eu sou uma das pessoas que gosta de analisar o livro como um todo. Já faz até algum tempo em que eu analiso milhares de vezes um livro antes de comprá-lo, principalmente aqueles com as capas deslumbrantes. Aliás, ultimamente estes têm sido os mais perigosos.

Em suma, atualmente comprar um livro pela capa anda sendo um negócio de risco, muito embora estas estejam cada vez mais tentadoras. Em minha opinião, as editoras deveriam prestar um pouco mais de atenção nessa parte tão crucial do livro e trazer de volta um pouco da velha magia de uma capa bem feita, em todos os sentidos.

No entanto, enquanto as capas continuarem sendo inutilizadas, o jeito agora vai ser usar o bom e velho método do “leia o resumo, sua besta!”, que eu deveria seguir já faz um tempo xD...

Um comentário:

  1. Quem leu a primeira edição da Bússola de Ouro antecipando o lançamento do filme e comprou os outros três livros da trilogia e amou a história, entende muito sobre capas! Não posso dizer o mesmo sobre a edição após o filme...

    ResponderExcluir