quarta-feira, 13 de junho de 2012

[Resenha] Graceling - Kristin Cashore

{"Em Outra Língua" é um meme criado por este blog para fazer resenhas ou comentar sobre lançamentos de livros estrangeiros a princípio apenas às quintas-feiras, mas atualmente em qualquer dia da semana. Todo blog pode participar - saiba mais aqui!}

Este meme está no Into Wonderland como parte integrante do Desafio Literário Meu Primeiro Livro em Outra Língua. Saiba mais aqui.


Título: Graceling
Autor: Kristin Cashore
Editora: EUA: Graphia / Brasil: Rocco
Gênero: Fantasia, Ficção
Páginas: 481 (Kindle) / 496 (Rocco)

"Ladies in the court had screamed; one had fainted. When they'd lifted him from the pool of blood on the floor and he'd turned out to be dead, the court had grown silent, backed away. Frightened eyes - not just those from the ladies now, but those of soldiers, the sworded underlords - all directed at her. It was fine to eat the meals of the king's chef, who was Graced with cooking, or send their horses to the king's Graced horse doctor. But a girl Graced with killing? This one was not safe." 
Katsa tem um dom. Esse dom faz dela uma 'graceling', seres aparentemente humanos que possuem olhos de cores diferentes. Uma criança nascer graceling é um fato aleatório, que pode ser bênção ou maldição. Os monarcas e as cortes dos Sete Reinos, em sua maioria, obrigam a entrega dos gracelings assim que nascem para que lhes sirvam. Dons de luta, leitura de pensamento e cura são os mais úteis e cobiçados - mas há gracelings que podem, por exemplo, coachar como sapos ou virar suas línguas. Não há limites para a variedade.

Katsa tem o dom mais temido dos Sete Reinos: o dom de matar. Randa, rei de Middluns, tem o controle sobre Katsa e a usa para coagir nobres e senhores a obedecerem-no - da maneira que for necessária. Inconformada com sua situação de tantos anos (Randa a tinha em sua corte desde muito nova), Katsa cria uma instituição secreta, com o intuito de proteger os inocentes das tiranias dos monarcas: o Conselho.

Em uma missão do Conselho para libertar o antigo rei de Lienid, pai do atual, Katsa conhece Po; mais tarde, descobrirá tratar-se do príncipe de Lienid que também procurava o avô. Katsa e Po, intentos em saber o motivo e o autor do sequestro, começam uma investigação que os levará ao reino de Monsea - o qual possui o mais benevolente de todos os reis. Ou será que não?

Uma palavra para descrever essa história: sensacional. É um debut de Kristin Cashore, e não poderia ter sido mais impressionante. O livro é comprido (480 páginas em Paperback) e a capa é horrorosa, mas vale INCRIVELMENTE a pena. Não apenas possui uma média altíssima de aprovação pelos compradores da Amazon, mas configurou entre várias listas de Melhores Livros de 2008 dos Estados Unidos, incluindo a da Publisher's Weekly e School Library Journal. Ou seja, um sucesso.

Existe uma palavra em inglês que descreve perfeitamente a protagonista: Katsa é fierce. Traduzindo, seria feroz - mas ela é mais do que isso. Ela é independente, astuta, impulsiva, teimosa, poderosa, enfim, ela é incomparável. Àqueles que gostam de personagens mais amáveis, fica a dica: Katsa passa longe disso. Mas não há quem não se apaixone por ela. Po, por outro lado, é o contrário (calmo, alegre, brincalhão), e é assim, suponho, para equilibrar a Katsa - e o faz com maestria. Cashore não deixa um i sem pingo em toda a história (por mais confusa que possa parecer em alguns momentos), e todos os seus personagens são substanciais e vitais para o bom desenrolar da trama.

Eu li esse livro em inglês, mas ele foi recentemente lançado pela Editora Rocco, que comprou o direito da série. Eu não li a tradução, mas ainda assim recomendo a leitura em inglês para aqueles que tiverem a oportunidade - não só pela experiência do livro em outra língua, mas pela qualidade da versão original.

Por Carol Fabiano - Viciada em livros, lê principalmente em inglês e é colaboradora do Into Wonderland. Trará sempre resenhas de títulos em inglês, acompanhe. (:



Avaliação:
Acabamento do livro: 
História:   
Andamento:   
Desfecho:     

Avaliação Geral:


Nenhum comentário:

Postar um comentário