quarta-feira, 4 de julho de 2012

[Resenha] Hollowland - Amanda Hocking


Hollowland
Amanda Hocking
Editora: CreateSpace
Gênero: Sobrenatural
Páginas: 291 (Kindle)
Inglês: Fácil (1/5)
“"This is the way the world ends - not with a bang or a whimper, but with zombies breaking down the back door."

Nineteen-year-old Remy King is on a mission to get across the wasteland left of America, and nothing will stand in her way - not violent marauders, a spoiled rock star, or an army of flesh-eating zombies.”
Antes de mais nada: este foi o livro de estreia do meu kindle! Lalala <3

Já fazia algum tempo em que eu vinha querendo ler algum livro dessa autora, que tem uma história bem interessante em sua odisseia para publicar seus livros, e, quando eu vi que Hollowland estava de graça na Amazon, não pensei duas vezes antes de baixar e o coloquei no topo da minha lista de próximas leituras (Eu estava empolgada demais com o kindle para esperar!). Fiquei um pouco receosa porque achei a capa bem feinha, mas, no final das contas, acabei tendo uma experiência bem diferente ao lê-lo.

“All I Know is that if you shoot them, they die. If you get their blood or saliva in your blood or saliva, you die."

O livro conta a história de Remy King, uma garota que estava reclusa junto a várias outras em uma espécie de quartel destinado a protegê-las dos zumbis que praticamente tomavam conta do mundo. Entretanto, por mais que já esperasse que um dia sairia daquele lugar, não achava que fosse ser tão rápido. Um dia, ela acorda com centenas de zumbis atacando e destruindo o quartel. E o pior: quase não havia mais guardas para protegê-los.

Temendo o pior e querendo ao máximo proteger o seu irmão que se encontrava na ala hospitalar, Remy resolve sair da “segurança” de seu quarto e se aventurar pelos andares do quartel, descobrindo que as coisas estavam ainda mais fora de controle do que esperava.

Seu irmão havia sido transferido para outro quartel, quase todos os guardas estavam mortos e ainda havia uma centena de zumbis entrando no prédio. Ela não tinha outra opção a não ser sair dali o quanto antes. Desta forma, Remy decide se aventurar pelas terras de um mundo apocalíptico em busca de seu irmão e de um lugar seguro em que possam viver.

Falar desse livro é algo bem complicado. Há uma divergência muito grande de opiniões quanto à sua qualidade e mesmo eu tive muita dificuldade ao dar a nota. Eu tinha lido várias resenhas sobre ele e até mesmo chegado à conclusão de que eu não gostaria da leitura. Acontece que, surpreendentemente, eu de fato gostei do que li. 

Assim, em minha opinião, para que você consiga ter uma leitura agradável e até mesmo muito boa, é preciso tirar da cabeça e relevar um monte de errinhos da história, principalmente aqueles que envolvem o apocalipse zumbi em si. Eu passei bastante tempo conversando sobre o assunto com o meu namorado e cheguei à conclusão de que faltaram vários aspectos e detalhes sobre o assunto no livro. Porém, apesar de ter consciência disso, consegui tirar um monte de coisas boas de minha leitura.

E é isso o que eu peço a você: para ter uma boa experiência com o “Hollowland” tenha a mente aberta e tente ler a história, e não considerar aquilo que você já sabe. Até porque, cada caso é um caso. Não é porque um livro se trata de vampiros, por exemplo, que nele essas criaturas necessariamente vão queimar quando expostos ao sol.

A narrativa é bem tranquila e simples. Apesar de ter algumas gírias que nem mesmo o dicionário conseguiu encontrar, no geral não há muitas palavras complicadas. É possível lê-lo sem muitas dificuldades com o inglês. Acho que a escritora poderia ter dado uma caprichada maior nas descrições, mas a sua escrita objetiva não foi de todo ruim. 

O livro é em primeira pessoa, contado na visão da protagonista, Remy. Ela é uma garota bem atípica. É decidida, fria, calculista e muitas vezes bem chata por causa disso. Eu acho que, tendo passado pelo que ela passou, é bem possível que a sua personalidade tenha sofrido tais danos a ponto de ela se tornar o que se tornou, mas achei que faltou um lado mais humano nela. Por mais que eu ache que na hora de sobreviver até mesmo com um palito de dente dá pra lutar, algumas cenas no livro acabaram se tornando um pouco forçadas, deixando a protagonista com um título de zumbi killer badass; quando, na verdade, ela tivera pouco tempo para se tornar tão incrível. 

Em geral, eu achei o livro bem legal. Gostei do ambiente, das lutas, das passagens e dos personagens deveras diferentes (gostei de todos eles, mesmo!). Embora existam certos detalhes que eu achei pra lá de estranhos, se levar em conta a história em si e toda a jornada dos personagens para atingir os seus objetivos, o livro se torna muito, muito bom.

Avaliação
História: 
Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral


2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Po, Flávia! Eu li esse livro, achei SENSACIONAL (mesmo com as ressalvas, haha. De fato, Remy é badass até demais) mas vou te dizer... Não vale a pena ler o segundo. É um LIXO, parei no meio! Não quero dar spoiler, mas é tipo, ladeira abaixo do primeiro...
    Enfim, haha.

    ResponderExcluir