sexta-feira, 27 de julho de 2012

[Resenha] Laranja Mecanica - Anthony Burgess


Laranja mecânica
Anthony Burgess
Editora: Aleph
Gênero: Ficção Cientifica
Paginas: 199
“Um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século, revela uma perturbadora história de uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma reposta igualmente agressiva de um governo totalitário. Adaptado para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick”
Dando um passeio com Flah pela leitura, minha livraria favorita, eis o que eu encontro. Esse belo exemplar do Laranja Mecânica. Na hora eu já pensei: Eu quero, e quero muito, esse livro. E não deu outra. Comprei. E foi assim que ele foi parar em minhas mãos.

Bem, obviamente que eu já conhecia a historia do Laranja Mecânica. Já vi o filme (algumas vezes), e para falar a verdade, já havia lido o livro há mais tempo, a dez anos quase na verdade. Porém, este não é um livro para se ler quando se tem onze anos. Ele é um livro denso, e, devo dizer, estranho e pesado. De uma forma diferente de qualquer outro.

Para ler esse livro, recomendo antes de tudo limpar sua mente, e se preparar para uma experiência única. E por esse motivo esse é um livro muito, muito difícil de resenhar. Sem contar que ele é aquele tipo de livro 8 ou 80, ou você ama, ou odeia. A maioria ama. Alex, nosso humilde narrador, é o líder de uma pequena gangue numa Inglaterra futurista e distopica (ficção cientifica, escrevendo sobre distopia before it was cool). E é sobre ele que é a historia. Sobre seus atos, suas consequências e sua reviravolta.

Vou começar falando de Alex. Bem, é difícil expressar o que eu sinto por nosso grandioso protagonista. Inicialmente, no final do 1º ato (O livro é dividido em 3 atos), eu senti nojo e ódio dele. Ele é simplesmente repulsivo. Ele e sua gangue comentem atos absolutamente bárbaros. Como exemplo: Estupro, roubo, espancamento de inocentes, invasão de casas, guerra de gangues. E tudo isso tendo apenas 15 anos. Depois você começa a sentir um pouco de pena de Alex, por conta do que acontece com ele (Não vou contar porque seria spoiler). Mas, no final, eu particularmente continuo achando-o repulsivo.

Isso tudo acontece um uma Inglaterra futurista, onde a ultraviolência é algo normal, e o pais é controlado por um governo autoritário, porém capitalista, que mantém o controle do país de forma discreta, tendo eleições e tudo o mais, mas tudo manipulado. Essa é uma das características do livro que mais me chocou. Esse mundo futurista que Burgess imaginou em 1962 não é muito diferente de nossa sociedade atual. Na verdade é muito semelhante mesmo. A parte da violência, da manipulação do governo, tudo, tudo mesmo. Mas aqui não é lugar para reclamar disso, então vou parar antes que o governo mande me apagar. Ou resolva aplicar a tecnica de Ludovico em mim.

Mas para mim, sem duvida, a estrela do livro é linguagem empregada no mesmo. O livro e escrito como se fosse o relato de Alex, um jovem de 15 anos, líder de gangue em um futuro distopico. Então, nada mais justo ele falar de uma forma bem diferente e estranha do nosso comum. Para você ter uma ideia da linguagem empregada ai vai uma frase randômica retirada do livro: “Eram nadsats litiando, cheirando e filando por ali, mas havia alguns dos mais starres, veks e shinas rindo e govoretando no bar”. E esse é uma frase relativamente bem entendível.

Isso mostra o quão bem escrito o livro de Burgess é. Uma linguagem totalmente diferente, porém com a qual no final do livro você já está absolutamente familiarizado. Personagens muito bem elaborados, uma ótima visão de bem/mal, da sociedade. Para um livro de 60 anos quase ter uma crítica válida até hoje, já demonstra o nível da coisa. Absolutamente perfeito, e por isso, não é exagero falar que ele faz parte de trindade distopia de ficção cientifica, junto com 1984 de Orwell e Admirável Mundo Novo, de Huxley.

Se você gosta de clássicos, de ficção cientifica, ou apenas de livros mesmo, esse aqui tem que entrar para sua lista. Laranja Mecânica é sem sombra de duvidas, um livro 6 estrelas. 5 xícaras em tudo.

Avaliação:
Acabamento do livro: 
História: 
Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral:
 

7 comentários:

  1. Nossa acredita que até hoje nem assisti e nem li???? Preciso muito resolver esse problema...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu recomendo, mas leia o livro primeiro xD
      O livro, é sempre (Ou quase sempre) melhor que o filme.

      Excluir
  2. Sou nova no blog, mas já adicionei nos favoritos.
    Gostei da resenha, ainda não tinha lido nenhuma sobre esse livro. Já vai pra lista. (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, mais um seguidor xD
      Estou aumentando meu rebanho.

      Excluir
  3. Nossa, nossa. Eu simplesmente amo esse livro. Fiz (mas ainda não postei) uma resenha sobre ele recentemente! E realmente a linguagem criada é genial, todo o jeito do livro é bem curioso. Adoro a escrita dele e de fato, é um livro para ser pensado e muito. Engraçado, para mim o que mais marcou foi o final mesmo. Infelizmente Kubrick parou o filme no penúltimo capítulo do livro. Fiquei muito alegre com sua resenha. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, sem contar que a versão americana do livro também não tem o ultimo capitulo. Coisa de americanos mesmo.

      Excluir
    2. Sério?! Eu juro que ia morrer sem saber disso.

      Excluir