quarta-feira, 1 de agosto de 2012

[Resenha] A Culpa é das Estrelas - John Green


A Culpa é das Estrelas
John Green
Editora: Intrínseca
Gênero: Drama, romance
Páginas: 288
“Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.”
Eu li “A Culpa é das Estrelas” com muita, muita cautela. Como qualquer outro livro muito difundido na internet e que todos dizem ser tão extraordinariamente bons, eu tenho meus receios com ele. Já estou bem calejada com esses livros e aprendi a nunca elevar muito as minhas expectativas, já que muito dos livros “Perfeitos e Fantásticos” que recebem notas altíssimas e belíssimas resenhas, nem sempre são tão bons assim. Muitas vezes são apenas produtos de uma tremenda divulgação.

Portanto, tentei me desfazer de todas as campanhas, elogios, resenhas e tudo o mais que fizeram sobre a grandiosidade do dito John Green e ler o livro com calma.

Acontece que o livro é, de fato, maravilhoso. Ele é triste de uma forma quase desesperadora, apesar de não apelar diretamente para o drama e feliz de um jeitinho tocante e fofo. Acho que nunca na minha vida eu tive uma crise de humor tão estranha e ambígua em que eu não sabia se ria ou se chorava, como eu tive com esse livro. Foram várias as passagens que deixaram meu coração leve como uma pena e um suave sorrisinho no rosto, mas que, no fundo, continha um drama tão enraizado que era impossível não relacionar aquele pequeno momento de felicidade com a iminente presença da morte. 

O livro conta a história de Hazel Grace, uma garota que descobriu ter câncer aos 13 anos e desde então vem experimentando remédios e tratamentos que podem adiar, pelo menos um pouco, a sua inevitável morte. Porém, não é porque ela tem uma doença terminal que a sua vida se resume a visitas fatídicas ao hospital e pessoas chorando ao seu redor o tempo todo. Ela vive, sente e tem todas as reviravoltas que uma adolescente normal da sua idade teria. Principalmente quando Augustus Waters entra em sua vida.

Antes de qualquer papinho sobre “drama sempre emociona e, por sua vez, acaba fazendo um livro comum ter algum ilusório significado profundo, vide Nicholas Sparks”, tenho que dizer que o livro não fala sobre o câncer em si, nem apela para uma emoção vazia. Ele explora todo um ambiente permeado pela morbidade de uma doença e a vida de adolescente que não conseguem entender o porquê daquilo. A obra é recheada de falas inteligentes, personagens muito bem estruturados e uma mensagem muito mais significativa e profunda do que apenas algumas lágrimas no final. 

Além do mais, ele também foca em um romance diferente, improvável, mas absolutamente lindo. A relação entre Hazel e Augustos é fadada, desde o princípio, à dor e à separação. O leitor já sabe que, no caso de Hazel, o melhor que pode acontecer é ela durar mais um ano, ou dois... Não há um final feliz e, ter noção disso, é o que traz a verdadeira emoção do livro. É impossível ver um amor tão lindo, sabendo que aquilo é temporário, que vai acabar e vai resultar em dor, sem sentir um arrepio pelo corpo ou uma lagrimazinha sempre querendo se derramar. 

O final é maravilhoso, emocionante, triste e surpreendente de uma forma dramática. Eu não esperava pelo que aconteceu, e me espantei com a dor que tudo me causou. Eu me envolvi de tal maneira com o livro, que comecei a me questionar, junto com a personagem, o porquê disso tudo. Qual o objetivo, o sentido e a lógica de viver. 

Não posso mais me estender demais no assunto, sem acabar citando um spoiler ou outro. Portanto, irei poupá-los de 2.000 palavras de elogios e suspiros. Mas, uma coisa tem que ficar bem clara: em minha singela opinião, esse livro merece, sim, todo o alarde que causou. Absolutamente tudo nele me encantou, o cenário, os personagens, a simplicidade, a narrativa, a emoção, os sentimentos. Tudo! Eu o recomendo a qualquer pessoa que tenha um coração.

Avaliação:
Acabamento do livro:   
História: 
Andamento: 
Desfecho: 

Avaliação Geral:

2 comentários:

  1. Olha, eu li um milhão de resenhas sobre esse livro. Não, mas algumas. Mas, só a sua me deu vontade de ler. Tanto que acabei pegando o ebook e comecei a ler agora a pouco. Ainda tô no inicio, mas parabéns pela resenha, de verdade. :)

    http://porfavorsenhorita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Alias, já viu o vlog do autor com o irmão?
    *-*
    Nerdfighteria.

    ResponderExcluir